Arquitetura e Decoração

Janela guilhotina

Janela guilhotina

As janelas são uma parte fundamental de sua casa, até de forma decorativa. Nos últimos tempos, os decoradores tem buscado inovações para deixar o ambiente dos clientes mais a cara de cada um, mas sem necessariamente apelar para coisas substancialmente novas – o “antigo” segue com muito espaço nesse mercado.

Nesse cenário, a madeira segue como um material referência para móveis e outros objetos de decoração para sua residência ou ambiente. Nas janelas, apresentam toda uma característica própria que pode agradar bastante os amantes da decoração rústica.

Janela guilhotina

A decoração rústica, de uma maneira bem simplória, pode ser definida como aquele tipo de decoração que busca dar um tom mais antigo aos ambientes, lembrando as simples casas do passado que ficavam na beira de lagos e riachos. Com o passar do tempo, esse tipo de decoração acabou ganhando voz como “casa de vó”, e a janela guilhotina costuma ser uma peça quase que obrigatória em ambientes dessa característica.

No entanto, mesmo lembrando construções antigas, mas bem preservadas, as janelas guilhotina apresentam um aspecto mais moderno, além de proporcionar versatilidade na hora da combinação das características envolvendo os outros itens de sua decoração.

Falando mais precisamente de algumas peculiaridades da janela guilhotina, podemos destacar o fato dela ser formada, de forma geral, por duas folhas que ficam sobrepostas. A que fica na parte superior é fixa, enquanto a que fica no inferior é móvel, podendo subir e descer, o que explica o nome “guilhotina”.

A guilhotina é um objeto muito famoso historicamente. As janelas com essa denominação apresentam semelhança estética e por isso ganharam esse nome. Para descontrair um pouco, leia abaixo algumas curiosidades sobre guilhotina, caso você não esteja se recordando bem do objeto.

Curiosidades sobre guilhotina

Suas origens remontam à Idade Média

O nome “guilhotina” data da década de 1790 e da Revolução Francesa, mas máquinas de execução semelhantes já existiam há séculos. Um dispositivo de decapitação chamado de “planke” foi usado na Alemanha e na Flandres durante a Idade Média, e os ingleses tinham um machado deslizante conhecido como Halifax Gibbet, que pode ter aparado nas cabeças desde a antiguidade. A guilhotina francesa provavelmente foi inspirada por duas máquinas anteriores: a “manáia” da época da Renascença, da Itália, e a notória “Donzela Escocesa”, que tirou a vida de cerca de 120 pessoas entre os séculos XVI e XVIII. Evidências também mostram que as guilhotinas primitivas podem ter sido usadas na França muito antes dos dias da Revolução Francesa.

Foi originalmente desenvolvido como um método de execução mais humano

As origens da guilhotina francesa datam de 1789, quando o Dr. Joseph-Ignace Guillotin propôs que o governo francês adotasse um método de execução mais suave. Embora ele tenha se oposto pessoalmente à punição capital, Guillotin argumentou que a decapitação por uma máquina rápida como um raio seria mais humana e igualitária do que a decapitação de espadas e machados, que muitas vezes eram danificadas.

Mais tarde, ele ajudou a supervisionar o desenvolvimento do primeiro protótipo, uma máquina imponente projetada pelo médico francês Antoine Louis e construída por um fabricante de cravo alemão chamado Tobias Schmidt. O dispositivo reivindicou sua primeira vítima oficial em abril de 1792 e rapidamente ficou conhecido como a “guilhotina” – muito para o horror de seu suposto inventor. Guillotin tentou se distanciar da máquina durante a histeria da guilhotina da década de 1790, e sua família mais tarde solicitou sem sucesso ao governo francês que mudasse de nome no início do século XIX.

Execuções de guilhotina atraiam muitos espectadores

Durante o Reinado do Terror de meados da década de 1790, milhares de “inimigos da revolução francesa” encontraram o seu fim com a lâmina da guilhotina. Alguns membros do público inicialmente reclamaram que a máquina era muito rápida e clínica, mas em pouco tempo o processo evoluiu para um entretenimento de alta qualidade.

As pessoas vinham ao local da Revolução em massa para ver a guilhotina fazer seu trabalho horrível, e a máquina era homenageada em incontáveis ​​canções, piadas e poemas. Os espectadores podiam comprar lembranças, ler um programa listando os nomes das vítimas ou até mesmo fazer uma refeição rápida em um restaurante próximo chamado “Cabaret de la Guillotine”.

Algumas pessoas compareciam diariamente, mais notoriamente os “Tricoteuses”. um grupo de mulheres mórbidas que supostamente se sentaram ao lado do andaime e se entrelaçaram entre decapitações. O teatro até se estendeu ao condenado. Muitas pessoas ofereciam gracejos sarcásticos ou últimas palavras desafiadoras antes de serem executadas, e outras dançavam subindo os degraus do cadafalso. A fascinação com a guilhotina diminuiu no final do século XVIII, mas as decapitações públicas continuaram na França até 1939.

Foi um brinquedo popular para crianças

As crianças muitas vezes participaram de execuções de guilhotina, e algumas podem até ter jogado com suas próprias guilhotinas em miniatura em casa. Durante a década de 1790, uma réplica de lâmina e madeira de dois pés de altura era um brinquedo popular na França. As crianças usavam as guilhotinas totalmente operacionais para decapitar bonecas ou até mesmo pequenos roedores, e algumas cidades acabaram proibindo-as por medo de que fossem uma influência cruel. As guilhotinas de novidade também foram colocadas em algumas mesas de jantar da classe alta, onde eram usadas como cortadores de pão e vegetais.

Operadores de guilhotina eram celebridades nacionais

Como a fama da guilhotina cresceu, também cresceu a reputação de seus operadores. Os carrascos ganharam uma grande notoriedade durante a Revolução Francesa, quando foram julgados de perto com a rapidez e precisão que conseguiram orquestrar várias decapitações. O trabalho costumava ser uma empresa familiar.

Múltiplas gerações da famigerada família Sanson serviram como carrascos do estado de 1792 a 1847, e foram responsáveis ​​por deixar cair a espada no rei Luís XVI e Maria Antonieta, entre milhares de outros. Durante os séculos 19 e 20, o papel de chefes chefes coube a Louis e Anatole Deibler, um casal de pai e filho cuja duração combinada se estendeu de 1879 a 1939. As pessoas frequentemente cantavam os nomes dos Sansons e Deiblers nas ruas, e sua escolha de roupas no andaime era conhecido por inspirar as tendências da moda.

Os carrascos também eram objeto de fascinação mórbida no submundo do crime. De acordo com alguns relatos, gângsteres e outros capuzes teriam tatuagens com slogans sombrios, como “My Head Goes To Deibler”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *